Tuesday, August 01, 2006

5.2 Morfologia e Orografia

Morfologia Geral

O território de Angola, devido à sua extensão e localização e à influência dos rios que o atravessam, apresenta uma geomorfologia variada. Encontramos em Angola exemplos de planície costeira, zonas de transição, serras e cadeias de montanha, picos, planaltos, e grandes bacias hidrográficas, e até regiões desérticas.

A Faixa Litoral

A faixa litoral, que se estende ao longo de toda a costa de Angola, é caracterizada por planícies e terraços baixos, com cerca de 100 km de largura na foz do rio Zaire, e de 180 km de extensão na foz do rio Cuanza, tornando-se mais estreita à medida que se caminha para Sul, limitando a pouco mais de 20 km a sul de Benguela, voltando a alargar-se um pouco na orla marítima do deserto do Namibe.

A faixa litoral é caracterizada por formações sedimentares meso-cenozóicas e por rochas do Maciço Antigo. Sob a acção da erosão do curso dos rios, encontramos canhões cortados nas rochas mais duras em que os enrugamantos das formações mesozóicas deram origem a relevos costeiros nas áreas do Dondo, Capolo, POrto Amboím e Quicombo. Encontramos ainda na faixa litoral vales largos e alagados nas formações geológicas mais brandas. No litoral propriamente dito encontramos arribas e praias e algumas com muito desenvolvimento, como as restingas das Palmeirinhas, do Lobito, e da Baía dos Tigres. Mais para o interior da faixa litoral é vulgar a acumulação de detritos grosseiros.

A Zona de Transição

Entre a faixa litoral e a cadeia de montanhas paralela à costa, encontramos uma zona de transição, que é caracterizada por degraus em patamares de crescente altitude para o interior. Estes patamares são cortados com frequência por rios que correm directamente para o Atlântico, dando lugar a aberturas para o interior como resultado da erosão fluvial.

O Cordão de Montanhas

O cordão das montanhas ao longo da costa que ganham altitude à medida que se caminha para Sul. O rio Cuanza divide a zona de montanhas costeiras em duas regiões ditintas: a metade Norte com montanhas de elevação média de cerca de 500 metros, com picos atingindo entre 1.000 a 1.800 metros, e relativamente acidentada (eixo Camabatela Uíge - Bungo - Damba, na província do Uíge; e as montanhas da orla costeira a sul do Cuanza, que se erguem abruptamente na forma de grandes escarpados, chegando os picos desta cadeia montanhosa a atingir os 2.500 metros a sul do Sumbe, e os 2.00 metros de escarpados já bem a sul na região da Tndavala (Serra da Chela), a sul do planalto da Huíla.

O Planalto Interior

O extenso planalto antigo do interior, a leste da orla de montanhas paralelas à costa, constitui a grande massa do território angolano. O planalto, descendo de altitudes máximas de 2.500 a 2.300 metros nas serras altas do Lépi, Caconda e Chela, é em norma plano, descendo ligeiramente para o interior e para Nordeste, até aos cursos dos rios Cuilo e Caluango, nas Lundas, onde predomina a floresta de galeria. As extensas anharas do Moxico e as chanas das Terras do Fim do Mundo, são talvez o exemplo mais típico da extensa savana no planalto antigo interior.

O grande planalto angolano é de facto constituído por vários plateaus (Malange, Benguela, Huambo, Bié e Huíla), relativamente independentes cortados pelas bacias dos rios que correm para o rio Zaire a norte, para o Atlântico a oeste, para o Lago Etosha a sul, ou para o rio Zambeze a sudoeste.

O Deserto do Namibe

O deserto do Namibe, situado no quadrante sudoeste do território, é uma sub-região de características muito distintas, onde encontramos dunas móveis e maciços rochosos juncados de rocha devido à desagregação provocada pelas grandes amplitudes térmicas. O deserto, com uma altura média de cerca de 300 metros, alarga-se entre a costa atlântica e a Serra da Chela.

Um viajante que atravesse o território em direcção perpendicular à costa (para leste, da costa para interior) encontra primeiro uma faixa estreita de planície costeira de terras baixas que não ultrapassam os 400 metros de altitude; continuando o trajecto, sobe depois em degraus para o interior à medida que encontra uma série de patamares esteritos de altitude entre 400 metros e 1.000 metros, que se seguem de degrau a degrau; prosseguindo a travessia do território, encontra depois uma cadeia de montanhas muito altas, que excedem com frequência os 2.000 metros; até que por fim vislumbra o grande planalto angolano sem fim, que perde altitude para os 2.000 metros e 1.500 metros, à medida que caminha para a fronteira nordeste. Junto à fronteira leste com a Zâmbia, no saliente do Cazombo, o viajante vai encontrar uma zona montanhosa de extensão irregular.

Relevos Principais

Em termos de relevo, importa destacar os seguintes acidentes naturais:

- As serras da Canda e do Cusso, na província do Uíge, que separam as bacias dos rios Loge e Cuando;

- A serra do Mucaba, na província do Uíge, que separa as bacias dos rios M'Bridge e Loge (a oeste) da bacia do Zaire a leste, nas províncias do Congo e Uíge;

- A serra da Canganza, que separa as bacias dos rios Zadi e Cuílo, na província do Uíge;

- A serra de Tala Mungongo, na província de Malange, separando as bacias do Cuando e do Cuanza. O perímetro das serras da Canda, Canganza e Tala Mungongo, era em tempos antigos também designado por Montes de Cristal.

- O planalto da Lunda, que separa as bacias dos rios Cuango e Cassai, e segue na direcção norte no eixo Alto Chicapa - Cacolo - Caungulo - Camaxilo;

- As terras baixas da Lunda, que começam no Luau (Teixeira de Sousa) e alarga para Norte até à fronteira e para Leste, para além dos rios Luachimo e Lóvua, até à margem esquerda do rio Caluango;

- A Baixa do Cassange, a oeste do planalto de Malange, ao longo do eixo Quela - Bângala - Bondo - Muginga - Mangando, todos situados ao longo do curso do rio Cuango;

- O Vale do Cuanza, que começa apertado a sul de Malange e Pungo Andongo, e se alastra a oeste de Calulo, até atingir as terras baixas do Dondo, Massangano, Muxima, Calomboloca e Bom Jesus, até desaguar na Barra do Cuanza, a sul da Ponta das Palmeirinhas;

- Os montes Luvili no Cuanza-Sul separam o rio Cuanza do rio Queve (ou Cuvo);

- As terras altas do Alto Chicapa e do Munhango, onde nascem alguns dos maiores rios de Angola, a saber Cuango, Cuílo, Chicapa, Cassai, Munhango, Lungué-Bungo, Cuíto e Luando;

- A serra do Hombe, no Huambo, com alguns cones que ultrapassam os 2.000 metros, forma o rebordo ocidental do planalto; e as serras do Chilembe, Caconda e Angola, separam a bacia do Cunene da orla costeira;

- A serra da Neve, a sul de Benguela, entre os rios Caporolo e Bentiaba;

- A serra da Galangue, a norte da Huíla, separa os cursos iniciais dos rios Cunene e Cubango;

- As serras do Alto Cuanza, onde nasce o rio Cuanza, na região da Catota - Sandamba - Samacimbo - a leste do Chitembo, na província do Bié;

- Os contrafortes da Serra da Chela, a sul da Huíla, separam o planalto da orla costeira;

- O apertado vale do Cunene, a oeste e a norte das Quedas do Ruacaná, até à sua foz, servindo de fronteira entre Angola e a Namíbia;

- As extensas anharas do Moxico e as chanas das Terras do Fim do Mundo, nas províncias do Moxico e Cuando-Cubango, cortadas pelos rios que se vão juntar ao rio Zambeze, ou desaguar no Lago Etosha, no Botswana; e,

- O maciço do Cazombo, na margem esquerda do Zambeze, na região do Alto Zambeze, no saliente do Cazombo.

1 comment:

Unknown said...

Muito boa, a enumaração sistemática dos relevos do território angolano. Obrigado!